Bom exemplo: Ministério Público determina retirada de cercas em rios de Sumé (PB)

Bolsonaro admite ajustes na reforma da Previdência e idade mínima menor para mulheres

Em audiência realizada na última dia 23 de janeiro, na sala da Promotoria de Justiça de Sumé, o Ministério Público informou que a Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado (Aesa) seria responsabilizada pela retirada das cercas transversais na extensão dos leitos dos Rios Pedra Comprida e Sucuru, em Sumé.

Na reunião foi solicitado por parte do Ministério Público que a Prefeitura de Sumé disponibilizasse quatro servidores para auxiliar na retirada das cercas.

O Ministério Público determinou ainda a solicitação da Policia Militar Ambiental de Campina Grande para acompanhar a realização da operação da Aesa, nos dias 13 e 14 de fevereiro, e estipulou o prazo de 60 dias para que a Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado apresente um relatório da operação.

Em entrevista, o promotor de justiça, Bruno Leonardo Lins, afirmou que as cercas na extensão dos rios são ilegais, pois se trata de um bem público.

Informações: Carri Ligado

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Scroll To Top