Horário de Verão tem início à meia-noite deste domingo

O horário de verão começa a meia noite deste domingo (19) e irá alterar o horário de funcionamento do aeroporto e de algumas agências bancárias e lotéricas do Estado. A assessoria de Imprensa do Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes – Gilberto Freyre informou que, devido às obras de revitalização da pista de pouso e decolagem, o horário de interdição passará de 0h às 7h para 23h às 6h (horário local). Após o dia 6 de dezembro, data prevista para o fim da requalificação da pista, os voos da madrugada voltarão ao normal.

Em períodos de horário de verão, a assessoria de Imprensa do aeroporto destacou que as companhias aéreas já imprimem o bilhete com o horário local de partida, mas reforçou a importância de chegar com, pelo menos, uma hora de antecedência. Em caso de dúvida, recomenda-se que os passageiros se dirijam aos guichês das companhias aéreas.

De acordo com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), unidades bancárias do Recife e dos municípios da Região Metropolitana do Recife (RMR) como Abreu e Lima, Camaragibe, Jaboatão dos Guararapes, Olinda e Paulista não terão alteração nos horários das atividades, funcionando, normalmente, das 10h às 16h. As demais cidades de Pernambuco irão antecipar o atendimento em uma hora, passando, então, a abrirem às 9h e encerrando às 15h.

A Febraban esclarece que essa diferença de horário de abertura entre as cidades do Estado é para facilitar o trâmite de compensação bancária, em casos de DOC e cheques, por exemplo, uma vez que nem todos os municípios seguem o horário de Brasília. As lotéricas que estão inseridas em shoppings e supermercados irão obedecer à abertura dos estabelecimentos, de acordo com a Caixa Econômica Federal (CEF). Já as demais vão manter o horário (das 7h às 18h).

O horário de verão chega ao fim no dia 22 de fevereiro de 2015. Todas as agências independentes dos Correios irão funcionar dentro do horário normal, das 9h às 17h. As que estiverem dentro de estabelecimentos, irão respeitar o horário deles.


Pesquisa Sensus: Aécio, 49,7%; Dilma, 38,4%

Do Portal R7

O Instituto Sensus publicou nesta sexta-feira (17) mais uma pesquisa de intenção de votos para o segundo turno da eleição presidencial. Divulgado pela revista IstoÉ, o levantamento mostra Aécio Neves (PSDB) 12,8 pontos à frente de Dilma Rousseff (PT). Na quinta-feira (16), o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) obrigou o instituto a divulgar informações sobre a coleta de dados de sua pesquisa anterior, após questionamentos da coligação petista.

Segundo os números publicados hoje, Aécio aparece com 49,7% dos votos totais, contra 38,4% de Dilma. Votos brancos, nulos e indecisos somam 12%.

Em votos válidos, o tucano soma 56,4% contra 43,6% da presidente, uma diferença de 12,8 pontos percentuais.

O Sensus informa que realizou 2.000 entrevistas em 136 municípios de 24 Estados do País entre os dias 14 e 17. A margem de erro é de 2,2 pontos

No levantamento anterior, publicado no dia 11, Aécio aparecia com 58,8% dos votos válidos, enquanto Dilma tinha 41,2%. Ou seja, nesse período de seis dias, o tucano caiu 2,4 pontos enquanto a petista subiu 2,4 pontos.

Questionamentos

A pesquisa anterior, que colocava Aécio 17 pontos à frente da presidente, levou a coligação petista a questionar o instituto.

O ministro Tarcisio Vieira de Carvalho Neto, do TSE, determinou ontem que o Sensus dê à candidata do PT à reeleição e à coligação Com a Força do Povo o acesso a informações sobre a coleta de dados da pesquisa divulgada no fim de semana.

De acordo com o TSE, a coligação e Dilma solicitaram “acesso ao sistema interno de controle, verificação e fiscalização da coleta de dados da pesquisa de opinião”.

Não foi determinado um prazo para o fornecimento dessas informações. Na decisão, Carvalho Neto determina que a Sensus permita o acesso aos dados solicitados, preservando, no entanto, a identidade dos entrevistados.

Dilma e a coligação fizeram o pedido com base em “supostas irregularidades na referida pesquisa”. Entre elas, estão a falta de identificação da fonte dos dados estatísticos e o “superdimensionamento” do percentual de entrevistados com nível superior.


Em debate eletrizante, Dilma e Aécio ignoram propostas para o Brasil e elevam tom das acusações. Dilma passou mal

Em horário nobre, no SBT, os adversários Dilma e Aécio fizeram o mais franco e eletrizante debate destas eleições, com uma escalada de trocas de agressões inesperada. Não deu tempo nem de aparecer uma proposta que fosse, nem a mais demagoga que fosse. A pressão foi tão elevada que mais pareceu que a agressividade de virulência das redes sociais tivessem sido transportadas para a TV. Dilma, ao final, supostamente, teria passado mal.

O momento mais ousado e arriscado de Dilma foi insinuar, no ar, ao fazer uma pergunta sobre lei seca, que Aécio Neves dirigia bêbado ou drogado, no Rio de Janeiro, reproduzindo material das redes sociais. Apelação? O tucano aproveitou a deixa e bateu. “Tenha coragem de fazer a pergunta de forma direta. Talvez seja desespero (trazer o tema)”, classificou, ao dizer que já havia reconhecido que dirigiu com carteira vencida e ‘inadvertidamente’ não fez o exame. No contra-ataque Aécio Neves citou casos de corrupção para perguntar se Dilma não se arrependia.

No mais, Dilma repetiu a estratégia de tentar desconstruir Aécio Neves a partir de Minas Gerais, onde foi governador por dois mandatos, antes de eleger-se senador.

Para atacar o concorrente, Dilma lançou mão do tema nepotismo e perguntou mais uma vez onde trabalhava a irmã e um tio do mineiro, no governo do Estado. Também sugeriu que houve beneficiamento de recursos público da área de comunicação para rádios e jornal da família do tucano.

O tucano mineiro não recuou diante das investidas de Dilma e manteve sempre a estratégia de apontar o ‘fracasso’ da gestão Dilma. Na questão do nepotismo, deu o troco na hora, ao denunciar que o irmão da presidente, Igor Rousseff, era empregado por Fernando Pimentel, ex-ministro e governador eleito de Minas Gerais. “A minha irmã fazia voluntariado. a diferença entre ela e o seu irmão é que ela trabalhava sem receber e seu irmão recebia e nunca trabalhava”, bateu, sem piedade. “Tem que dar conta de todos, não só da irmã”, pediu Dilma. Para respondeu aos gastos com comunicação, Aécio Neves disse que os gastos foram aprovados pelo TCE de Minas e questionou os gastos com blogs aparelhados para atacar a honra dos adversários.

Para atacar a concorrente, o senador do PSDB usou as mesmas armas de antes, como elevação da inflação, queda da atividade econômica e principalmente o caso da Petrobras. A intenção do tucano era colar a corrupção à imagem da adversária. “A senhora não se sente responsável? Ou a senhora foi incompetente ou foi conivente. A senhora prevaricou?”, disse. Nestes momentos, Dilma sempre diz que a PF investiga e que antes não havia investigação.

O tucano também bateu duro ao cobrar a demissão do tesoureiro do PT em Itaipu, situação que não se resolveria porque, tendo arrecadado e financiado sua campanha, possivelmente até com recursos oriundos da Petrobras, não poderia ela mandar demiti-lo.

Dilma mais uma vez tentou usar o bolsa família contra o tucano, dizendo que não faria os mesmos programas sociais. Aécio devolvia com a argumentação de que os programas sociais são do Brasil e não de um partido. “Ninguém é dono do Brasil”. Quando falou da inflação, Dilma disse que o problema era um choque de oferta e que os adversários eram sempre pessimistas.

Nas considerações finais, Dilma também apelou para o corte de classes, chamando as gestões tucanas de governo das elites. Já Aécio Neves reclamou das ofensas citando Eduardo Campos e Marina e prometeu um governo de generosidade com todos os brasileiros, sem dividir o Brasil “entre nós e eles”.

Ao fim do debate no SBT, nesta quinta-feira (16), a candidata do PT Dilma Rousseff (PT) afirmou que teve uma queda de pressão. Durante uma entrevista ao vivo na emissora, depois do confronto, a petista interrompeu a entrevista com a jornalista do SBT, e disse que estava passando mal: “Estou com uma queda de pressão”, e se sentou.

Dilma foi rapidamente atendida, bebeu um pouco de água e logo se levantou, prosseguindo com a entrevista.

Passado o mal-estar, a candidata voltou e afirmou que “o debate sempre exige muito da gente”.


Sem conexão com Transposição, municípios pernambucanos continuam dependendo de água de poços

Água da Transposição do Rio São Francisco será levada pelo Ramal do Agreste para os municípios da região. A foto é em Floresta, no Sertão, em agosto. Foto: Marcela Balbino/Blog de Jamildo

O descompasso entre a execução das obras e a distribuição da água da Transposição do Rio São Francisco levará cerca de 2 milhões de habitantes de 64 municípios pernambucanos a continuar dependendo de poços mesmo após a conclusão do empreendimento, prevista, depois de atrasos, para dezembro de 2015. O problema agora é que o Ramal do Agreste, obra ligando os municípios de Sertânia e Arcoverde para levar o volume do Eixo Leste a cidades atingidas ciclicamente pela seca, está sem previsão de ser concluída.

O Ramal do Agreste é uma obra federal com edital de licitação lançado em abril, em passagem da presidente Dilma Rousseff (PT) por Serra Talhada, no Sertão do Pajeú. A previsão inicial de investimento era de R$ 1,3 bilhão, valor que pode ser modificado.

Entretanto “a licitação do Ramal do Agreste foi suspensa pelo próprio governo federal para ajustes no edital, após apontamentos feitos pelo TCU (Tribunal de Contas da União) no âmbito de um processo que ainda tramita no tribunal”, como informa nota enviada pelo órgão ao Blog de Jamildo nesta quinta-feira (16). Isso quer dizer que, em processo auditado pelo TCU, foram apontados problemas e o Ministério da Integração Nacional, responsável pela obra, se antecedeu ao procedimento de suspensão do edital e interrompeu a licitação até a solução das questões – ainda não divulgadas.

documento-integração-2

Em nota, a Integração Nacional afirmou que “o edital de licitação, cujos ajustes técnicos foram concluídos neste mês, segue para o departamento Jurídico e deverá ser relançado em novembro, estando, atualmente, na fase de formalização da documentação.”

O projeto de construção do Ramal do Agreste inclui duas barragens, seis túneis com 16 quilômetros de extensão, obras viárias para o acesso aos canais e uma adutora com mais de sete quilômetros de extensão. No total, são 71 quilômetros. Com a conclusão da obra, a água será retirada do Eixo Leste com vazão de 8 mil metros cúbicos por segundo, sendo metade para a Adutora do Agreste e a outra metade para o Reservatório do Ipojuca, em Arcoverde.

O empreendimento já passou de mão em mão no poder executivo: proposto pela União, ficou com o Governo de Pernambuco quando, ainda durante a gestão de Fernando Bezerra Coelho (PSB) na pasta, contratos da transposição foram questionados. A responsabilidade voltou para o Ministério da Integração Nacional no momento em que esses contratos puderam ser refeitos, com o objetivo de dar mais celeridade ao processo. Segundo a nota enviada pela pasta, o Estado solicitou revogação do Termo de Compromisso firmado com o ministério.

Adutora do Agreste será abastecida por águas da Transposição. Foto: Compesa/Divulgação

Paralelo a isso, a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) é a responsável pela construção da Adutora do Agreste, feita com 90% de repasses federais. Dos 430 quilômetros previstos em junho do ano passado, quando as obras começaram em Pesqueira, foram implantados 234 quilômetros, mais da metade do total. Inteira, a Adutora do Agreste tem início em Pesqueira e vai até Gravatá. Até agora, foram gastos R$ 434 milhões dos R$ 2 bilhões totais previstos.

A Compesa estima que a implementação da primeira das três etapas aconteça até o fim do próximo ano, transportando água assim que os primeiros quilômetros ficarem prontos. Segundo o presidente da companhia, Roberto Tavares, a barragem de Alagoinha foi a primeira concluída, mas não começou a funcionar porque ainda não houve chuvas suficientes na região. O próximo trecho, de acordo com o gestor, é o de Itaíba, Águas Belas e Iati.

adutora-agreste-compesa

Como depende da água do Eixo Leste da transposição, a adutora só funcionará plenamente com a conclusão do ramal, abastecendo as barragens no Agreste. Porém uma questão deve ser levada em consideração: a obra é mais simples do que o projeto para o São Francisco.

Para contornar a situação, foram traçados planos alternativos, com o uso de poços e a injeção de água no sentido contrário. Embora o sentido planejado seja saindo de Pesqueira, enquanto o ramal não estiver pronto a água será obtida de poços e levadas em direção à cidade. Serão usados, por exemplo, poços que estão sendo furados em Tupanatinga e outras cidades. Também é considerada parte do plano a ampliação de barragens como a de Pedro Moura, em Belo Jardim, foi iniciada em junho. Assim, 14 dos 17 municípios beneficiados inicialmente poderão ser atendidos provisoriamente, dependendo da chuva, algo escasso na área.


Escreve, Leitor! – A ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA

Por Edilson Xavier*

 A Policia Federal suspeita de atuação de organização criminosa atuando na Petrobras, em documento encaminhado ao juiz Sergio Moro, da Justiça Federal do Paraná, e informa que o suposto esquema serviria de base para “pagamento de propinas e abastecimento financeiro de grupos criminosos envolvidos no ramo petroleiro”. O juiz federal que preside a ação penal que apura mais um escândalo que sacode o país e dessa vez envolve os ex-diretores da Petrobras. O juiz Sergio Moro virou referência em crimes financeiros. Um dos presos naquela época foi Alberto Youssef, detido novamente desde 17 de março em Curitiba, agora alvo da Operação Lava Jato. A declaração policial, por seu ineditismo, poderia ser considerado um fato surpreendente, mas infelizmente, não o é, ante o festival de denúncias que a população diariamente toma conhecimento através da televisão, dos rádios, dos jornais e das redes sociais, cujos órgãos noticiosos, estando plenamente atentos informam todos os atos praticados no âmbito empresarial, no legislativo e no executivo. Sendo corriqueiros, os atos desabonadores que estão sendo postos em prática pelos empresários, membros do Congresso Nacional, pode-se concluir que a declaração da Policia Federal, que investiga as falcatruas ocorridas na Petrobras, foram até contidas, até porque, pelo que se vislumbra na grande imprensa nacional, a organização criminosa não está atuando apenas na maior empresa nacional – a Petrobras, mas pelo que se depreende, está em todo o governo, contaminado por ampla base, liderada pelo Partido dos Trabalhadores, que durante todo esse tempo de governo, vem ensinando e pondo em prática verdadeiro desserviço ao país, no campo da imoralidade em todos os níveis. Não se viu paralelo algum, quanto á prática governamental de verdadeira dilapidação e da corrosão moral em que se vêm envolvidos os membros do PT, quando praticamente todos os dias se noticia uma grave denúncia de desvio de conduta e dos recursos públicos. O primeiro grande escândalo com a prática do mensalão governista, em que toda a cúpula do Partido dos Trabalhadores desviou recursos públicos a serviço dos parlamentares integrantes do Congresso Nacional que está a muito tempo desmoralizado, que, por sua vez, não consegue sequer instalar uma Comissão Parlamentar de Inquérito, sem que esteja contaminado pelo vírus da corrupção. Praticamente não se pode escolher um membro do parlamento nacional sem que esteja envolvido com alguma ilegalidade, o que demonstra à exaustão que há uma verdadeira organização criminosa atuando em todos os níveis da administração pública, como acentuou o mencionado magistrado federal paranaense. O que se esperar de um governo composto por um verdadeiro conglomerado partidário que se especializa em dilapidar os recursos públicos provenientes dos nossos impostos? Os exemplos nominais estão aí: as propinas que eram pagas ao deputado federal Rodrigo Bethlem, do PMDB do Rio de Janeiro, que é secretário de Ação Social e pagava pensão com dinheiro de propina e sem se falar no deputado paranaense André Vargas, que sendo sócio do doleiro Alberto Youssef, arrecadaram mais de 10 bilhões de reais, através de contratos ilícitos “celebrados” com a Petrobras! Em todos os recantos do governo se noticia desvios e malversação de recursos públicos, lavagem de dinheiro, praticados por grupos políticos, que visam enriquecer ilicitamente e atuam acintosamente para eleger bancadas para atuar em defesa de empresários desonestos, lobistas e verdadeiros sócios governamentais, como já se disse na grande imprensa nacional diariamente. A instalação da CPI para apurar os contratos graciosos visando enriquecimento ilícito, que culminou com a apuração de dez bilhões de reais, com o doleiro Alberto Youssef, constituem à exaustão provas cabais do cometimento desses fatos, como se fossem praticados através de organização criminosa. Só, que como era de se esperar, a os trabalhos da CPI eram pura encenação. Agora mesmo o PT teve de expulsar mais um deputado, além de André Vargas, Luis Moura de São Paulo que se reunia com os membros do PCC e tem colegas como Secretários da Prefeitura de São Paulo. Agora mesmo se tem noticia de que toda a ex-diretoria do Banco do Nordeste do Brasil, o BNB, foi denunciada criminalmente pela Procuradoria Regional da República no Ceará, por desvio dos recursos do banco se trata de mais um ato de cunho nitidamente criminoso que os integrantes dos órgãos do governo praticam em desserviço da população, em prol de enriquecimento ilícito.

Reitere-se que os operadores do mensalão associaram-se a empresários, banqueiros e deputados, ficando claro o modo com que atuavam no desvio de recursos público, enquanto faltam para segurança, principalmente saúde e educação, que estão à mercê de um governo formado por políticos mensaleiros e empresários que nada empresariam e se enriquecem sem nada produzir. Outra comprovação de enriquecimento ilícito, envolve o deputado federal Luiz Argôlo (SD-BA), cujo chefe de gabinete é acusado de ter recebido R$ 120 mil do doleiro Alberto Youssef. Essa é a cara da Câmara dos Deputados. Esses atos, como é cediço, têm o condão de enquadrar os responsáveis nos rigores da lei de organização criminosa, que trata da lavagem de dinheiro e desvio de recursos públicos e sequer constitui algum exagero reiterar e concordar com o juiz federal Sérgio Moro que a organização criminosa não atua apenas na Petrobras, mas pelo jeito que está, atua no próprio governo, como tem demonstrado a grande imprensa nacional em cuja ação penal são citados além de André Vargas, Fernando Collor, senador, deputado Cândido Vacarezza, Paulo Roberto Costa, deputado Luis Argôlo e Alexandre Padilha. É um esquema de corrupção que rivaliza com o do mensalão e que, muito provavelmente, o supera no valor movimentado. Por essa atuação demonstrada pela Policia Federal, trata-se ou não de organização criminosa como preceitua a Lei 12.850/13, plenamente aplicável a esses delitos? A policia federal instaurou inquérito para investigar se a presidente da Petrobras em seu depoimento na CPI mentiu. Constitui prova cabal desse desgoverno atingindo a estatal. Mas pode ficar pior, olhem só quem estará nos representando no Congresso Nacional!

Edilson Xavier é Ex-presidente da Câmara Municipal e da OAB de Arcoverde


Dilma tem queda de pressão após debate com Aécio

Após 1h10m de debate presidencial promovido por SBT, UOL e Jovem Pan, Dilma Rousseff (PT) foi procurada pela reportagem da emissora para avaliar o confronto com seu adversário, Aécio Neves (PSDB). Enquanto comentava, ela começou a trocar palavras e teve dificuldade para concluir o raciocínio, então pediu uma pausa justificando uma queda de pressão. Ela foi amparada até a cadeira onde estava posicionada durante o debate, sentou-se e bebeu água.

- Eu estou me sentindo mal, minha pressão caiu – disse Dilma, sendo acudida pela repórter do SBT, que a conduziu até uma cadeira e serviu-lhe um copo de água.

Após cerca de três minutos, ela se levantou e pediu para continuar sua avaliação. No entanto, foi impedida porque, ao passar mal, ela já havia alcançado exatamente a mesma quantidade de tempo destinada à resposta do tucano.

- Eu tive uma queda de pressão, agora consigo concluir a entrevista com você – afirmou à repórter.

Ao sair do estúdio e ser questionada pelos repórteres se estava tudo bem, Dilma acenou e disse:
- Estou ótima.


Obra da Barragem de Ingazeira foi paralisada

20131111113334_cv_barragem_gdepor Anchieta Santos

A população das cidades como Ingazeira, Tabira, Tuparetama, São Jose do Egito e de todo Pajeú começam a quinta-feira (16) surpreendidos pela notícia de que a obra de construção da tão sonhada Barragem de Cachoeirinha, ou Barragem de Ingazeira, como queiram, foi paralisada pela Empresa NOVATEC. A ‘urucubaca’ que circunda a Construção da Barragem de Ingazeira é uma incógnita.

A barragem representa uma luta de mais de 73 anos (o primeiro Decreto foi assinado no dia 21 junho de 1941). A obra iniciada em 1998 foi paralisada no mesmo ano, em razão do escândalo do TRT de São Paulo, envolvendo a construtora IKAL do ex-senador Luís Estevão (preso recentemente pela Polícia Federal).

Ainda não se sabe quais as razões que levaram a empresa a paralisar a obra. Por outro lado informações Oficiais do DNOCS, dão conta de dentro de 15 dias, estarão sendo publicados (mais de 200 lotes) o restante dos valores das demais propriedades que ainda serão indenizadas.

Defensor ardente da construção da obra, o vereador e Presidente da Câmara de Tuparetama Joel Gomes, disse que não perdeu a esperança de ter o reservatório concluído e convida a todos para ir a luta. Não vamos desistir da Barragem de Ingazeira, completou.

Informações: Blog de Nill Junior


Direito, em Camaragibe, é o curso mais concorrido do Vestibular 2015 da UPE

O curso de bacharelado em Direito do campus Camaragibe é o mais concorrido do Vestibular 2015 da Universidade de Pernambuco (UPE). No vestibular tradicional, a concorrência é de 139,29 por vaga. Já no Sistema Seriado de Avaliação 3 (SSA), o curso, que também apareceu em primeiro colocado, tem a concorrência de 66,8 por vaga. Ao todo, são oferecidas 3.460 vagas em 53 cursos de graduação, distribuídas em dez campi. Este é o último ano em que a UPE adota o vestibular tradicional como processo de ingresso. A partir do próximo ano, a seleção se dará através do SSA e do Sistema Unificado de Seleção (Sisu), formado pela nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Ao todo, foram 39.491 mil candidatos inscritos no vestibular tradicional e 40.893 no SSA3. Em todos os processos, o maior número de inscritos por sexo foi de mulheres (63,9%). O maior público do vestibular deste ano é de alunos de escolas públicas. O reitor da UPE, Carlos Calado, não se surpreendeu com os resultados da concorrência. “Este ano, não tivemos muitas surpresas. O número de inscritos já era de se esperar. A surpresa foi da procura maior dos cursos no Interior”, revelou o reitor.

Confira os três primeiros cursos com maior concorrência

Vestibular
1º – Direito Camaragibe (139,29)
2º – Medicina Serra Talhada (92,1)
3º – Medicina Garanhuns (84,25)

Vestibular Cotas
1º – Direito Camaragibe (149,75)
2º – Medicina Serra Talhada (117,50)
3º – Odontologia (86,50)

SSA3
1º – Direito Camaragibe (66,8)
2º – Medicina Serra Talhada (30,1)
3º – Direito Arcoverde (20,1)

SSA3 Cotas
1º – Direito Arcoverde (54)
2º – Direito Camaragibe (54)
3º – Medicina Serra Talhada (37,5)

CONCORRENCIA_SSA 3.pdf

  CONCORRENCIA_VESTIBULAR.pdf

 


Lula quer vingança

 Lula priorizou três estados do Nordeste neste 2º turno da eleição: PE, RN e CE. Em Pernambuco, deseja vingar-se do PSB, por ter ficado com Aécio, e não com Dilma. No RN, tentará derrotar Henrique Alves (PMDB), que proibiu o PT de fazer parte de sua coligação. E no CE quer impor uma derrota a Eunício Oliveira (PMDB) por ter ajudado Tasso Jereissati (PSDB) a voltar ao Senado.


Secretário da Fazenda de Pernambuco denuncia retaliação política do Planalto

Secretário da Fazenda, Décio Padilha. Foto: Hélia Scheppa/JC Imagem

Pernambuco deixou de receber cerca de R$ 1,1 bilhão em sua receita de 2014. Esse valor seria repassado pelo governo federal ou através de empréstimos que precisariam do seu aval. Indiretamente, o secretário da Fazenda, Décio Padilha, acredita que esse foi o preço pago pela saída do PSB da base aliada do PT. Ao apresentar à Comissão de Finanças da Assembleia Legislativa (Alepe) o relatório de gestão fiscal do segundo quadrimestre de 2014, o secretário fez duras críticas à política econômica do País e afirmou que a verba não recebida sufocou a máquina pública estadual.

A estratégia do governo estadual para crescer está sendo realizar empréstimos que ampliem a sua capacidade de investimento. No entanto, o Estado tem dificuldades para prorrogar o seu contrato no Programa de Ajustamento Fiscal (PAF), que regulamenta operações de crédito entre os bancos e os Estados, deixando de pegar emprestado cerca de R$ 800 milhões.

Hoje, o Estado utiliza um quarto da sua capacidade de endividamento, estando apto a contrair empréstimos. “A União poderia ter mantido o nível de repasses que fez a Pernambuco em 2013. Ela não adotou esse comportamento em relação a outros Estados. Durante todo o ano, eles não prorrogaram nosso contrato do PAF. Não se faz hospitais, estradas e escolas novas só com o dinheiro do ICMS”, criticou Décio.

O deputado de oposição Silvio Costa Filho (PTB) questionou o modelo de investimento da gestão socialista. Na visão dele, as operações de crédito poderão comprometer a receita do Estado no futuro. “Ao que parece, o Estado vai precisar se endividar para manter a capacidade de investimento. Preocupa que esse investimento não seja sustentável”, disse.

Mesmo com o rombo na receita, Pernambuco deve crescer 3,5%, segundo Décio. O carro-chefe da gestão fiscal é a arrecadação do ICMS, estimada em R$ 13,1 bilhões este ano, mais os repasses do Fundo de Participação dos Estados (FPE), feitos pela União e que devem ser de R$ 4,9 bilhões.

O Estado está comprometendo 44,9% da sua receita com despesa total de pessoal, ficando próximo ao nível prudencial, de acordo com a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Décio afirmou que Pernambuco fará um grande esforço para fechar as contas de 2014, já que a União não facilita a condução da política econômica.

Em 2015 o governo poderá investir R$ 3,8 bilhões em obras.


Paulo Câmara pede empenho dos prefeitos na campanha de Aécio Neves

151014 - foto divulgação

O governador eleito de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), reuniu-se hoje (15) num hotel de Gravatá com cerca de 120 prefeitos da Frente Popular aos quais pediu “empenho total” na campanha do senador Aécio Neves (PSDB) à Presidência da República.

Esse disse o seguinte aos prefeitos do seu grupo político: “A aliança com Aécio não é apenas uma aliança eleitoral. É uma aliança de compromissos”.

Garantiu que o tucano se comprometeu a pôr em prática as propostas de campanha do candidato Eduardo Campos (PSB), que depois foram assumidas por Marina Silva.

“Aécio vai levar o ensino em tempo integral a todo Brasil, destinar 10% do Orçamento Geral da União para a Saúde, corrigir a tabela do SUS e criar uma versão nacional do Pacto pela Vida”, disse o novo governador de Pernambuco.

Segundo ele, a aposta do PSB na candidatura de Aécio “é uma aposta para mudar o Brasil e melhorar a vida dos brasileiros”.

O governador eleito aproveitou o encontro com os prefeitos para agradecer o apoio deles recebido em sua campanha eleitoral, o que o levou a conquistar mais de 68% dos votos dos pernambucanos.

Presente ao ato, o prefeito de Afogados da Ingazeira e presidente da Amupe, José Patriota (PSB), disse ao novo governador que a situação das prefeituras é de “arrocho” total.

Ele elogiou a criação do Fundo Estadual de Apoio ao Desenvolvimento Municipal, pelo governo Eduardo Campos, mediante o qual as prefeituras passaram a receber, anualmente, uma quota-extra do FPM para investir em obras públicas.


Datafolha mostra Aécio com 51% e Dilma está com 49% dos votos válidos

Foto: Arte NE10.

Na reta final das eleições, a disputa pela Presidência da República continua com um cenário extremamente acirrado, segundo os números da pesquisa Datafolha realizada na terça-feira (14) e nesta quarta (15). O senador Aécio Neves (PSDB) tem 51% dos votos válidos, a presidente Dilma Rousseff (PT) alcança 49%.

É um empate técnico, com exatamente os mesmos percentuais de voto válido da primeira pesquisa Datafolha do segundo turno, feita nos dias 8 e 9 deste mês. Nos dois casos, a margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos.

Em votos totais (excluídos brancos, nulos e indecisos), Aécio tem 45% e Dilma, 43%. Na rodada anterior, cada um tinha um ponto percentual a mais. Os eleitores dispostos a votar nulo ou em branco cresceram de 4% para 6%. Os indecisos continuam em 6%.

No total 9.081 eleitores foram entrevistados em 366 municípios. O nível de confiança do levantamento é 95%. O registro do estudo no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) é BR 01098/2014.


Dia do Professor: Mensagem do Deputado Ângelo Ferreira


Dia do Professor: Mensagem do Gestor da Escola Técnica Arlindo Ferreira dos Santos


Dilma é a presidente que criou menos unidades de conservação desde Ernesto Geisel

Foto: divulgação.

 

Foto: divulgação

O Diário Oficial da União publicou na última segunda-feira (13) criando as primeiras unidades de conservação da Amazônia da gestão da presidente Dilma Rousseff (PT). Foram criadas três reservas extrativistas na zona costeira do Pará: Mocapajuba, Mestre Lucindo e Cuinarana.

Levantamento do site Mídia e Desmatamento na Amazônia, site realizado pela Agência de Notícias dos Direitos da Infância (ANDI), a petista é a presidente que criou menos unidades de conservação desde Ernesto Geisel, que governou o País entre 1974 e 1985.

Geisel não criou nenhuma unidade de conservação na Amazônia durante sua gestão. Depois de Dilma, o pior desempenho foi dos governos Fernando Collor e Itamar Franco, onde foram criadas seis unidades.

Fernando Henrique Cardoso (PSDB) criou 12 unidades no primeiro mandato e 26 no segundo. Lula criou 36 unidades nos seus primeiros quatro anos de governo e 13 nos quadriênio seguinte.

Na gestão de João Figueiredo surgiram 25 unidades de conservação. No governo José Sarney, foram criadas 34.

No dia 13, também foi ampliada a Reserva Extrativista Araí-Peroba, que foi criada em maio de 2005. Ao contrário do que chegou a ser cogitado, a Estação Ecológica Maués, no Amazonas, não foi criada.